$type=carousel

Palestinos convocam "dia do ódio" contra Israel nesta sexta-feira

Hamas é um dos grupos terroristas que acabou se transformando em um partido político da Palestina. (Foto: Reuters) Apesar da preocupação de...

Hamas é um dos grupos terroristas que acabou se transformando em um partido político da Palestina. (Foto: Reuters)
Hamas é um dos grupos terroristas que acabou se transformando em um partido político da Palestina. (Foto: Reuters)
Apesar da preocupação de Israel com as demandas muçulmanas e internacionais para se desfazer das novas e mais restritivas estratégias de segurança no Monte do Templo, os grupos palestinos 'Fatah' e 'Hamas' declararam que a próxima sexta-feira será um "dia de ódio" contra os judeus.
Pouco depois desse apelo à violência, manifestantes palestinos entraram em confronto com a polícia israelense nesta quinta-feira (27), atirando pedras no local sagrado recentemente reaberto em Jerusalém.
"Nós apoiamos o que vocês fizeram e continuam fazendo", disse a Autoridade Palestina, segundo a agência de comunicação 'Palestinian Media Watch'.
"[Vocês estão] cuidando de sua mesquita Al-Aksa, sua terra, sua dignidade, seu povo, sua religião e seus locais sagrados", acrescentou o líder palestino Mahmoud Abbas, ao se referir ao Monte do Templo, usando o nome árabe que os palestinos deram ao local.
O Hamas também já estava festejando ataques de palestinos no Monte do Templo na última quarta-feira, chamando-os de a "Vitória na batalha pela Mesquita de Al-Aqsa". O grupo convocou seus partidários para enfrentarem as forças de segurança israelenses nesta sexta-feira como uma reação "aos eventos recentes para impedir Israel de continuar com infrações contra nossa nação e nossos locais sagrados", informou a agência 'National News', de Israel.
"A Mesquita [Al-Aqsa] exige sua consciência e sua honra, porque é impossível continuarmos calados diante das tentativas da ocupação israelense de começar uma nova realidade lá", disse o presidente do politburo do Hamas, Ismail Haniyeh, em uma carta publicada pelo jornal al-Risala, de acordo com o Jerusalem Post.
No início da manhã desta quinta-feira, os últimos vestígios de equipamentos de segurança foram removidos da área que compreende o Monte do Templo e os muçulmanos tiveram permissão para entrar no local em vez de se reunirem na rua fora da entrada.
"Os detectores de metal e as câmeras que foram colocadas fora do Monte do Templo após o ataque terrorista no local, quando dois oficiais foram assassinados, já foram removidos", confirmou o porta-voz da polícia israelense em um comunicado.
A Jordânia celebrou a remoção dos detectores de metal e câmeras de vigilância, chamando Israel de "o poder de ocupação" que "não tem o direito de impor" mudanças no local.
Israel instalou os detectores de metal e as câmeras de segurança após três árabes contrabandearem armas do norte para o Monte do Templo (supostamente com a ajuda de um funcionário da Wakf, uma organização islâmica que controla diversos edifícios em volta de locais sagrades, como o Monte do Templo) e os usarem para atacar forças de segurança israelenses na entrada e depois no próprio Templo.
Ambos as fações palestinas - Fatah e Hamas - também celebraram a remoção dos equipamentos de segurança, declarando o fato como como vitória do islamismo sobre Israel.

Decepção

Mas muitos judeus estão desapontados com a decisão de remover as instalações de segurança do Monte do Templo.
"A questão é que muitos deles [palestinos] são ensinados desde uma idade muito precoce a matar judeus", disse um israelense expressando sua indignação, em depoimanto à CBN News.
O jornalista muçulmano Bassam Tawil concordou com o rapaz israelense, dizendo: "Eles estão protestando porque Israel está tentando dificultar a morte de judeus".

Conflitos com a Turquia
Enquanto isso, o presidente islâmico de Turquia, Recep Tayyip Erdogan, acusou Israel de "usar força excessiva" e "contaminar" o Monte do Templo.
"Os soldados israelenses estão contaminando al-Aksa com suas botas de combate, usando desculpas simples para facilmente derramar sangue por lá", disse Erdogan.
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, respondeu dizendo: "Erdogan é a última pessoa que pode criticar Israel", citando a ocupação da Turquia no norte de Chipre e sua história com os curdos.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA CBN NEWS

COMMENTS

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Nome

ltr
item
DEUSEAMORIANOS : Palestinos convocam "dia do ódio" contra Israel nesta sexta-feira
Palestinos convocam "dia do ódio" contra Israel nesta sexta-feira
https://thumbor.guiame.com.br/unsafe/840x500/smart/https://media.guiame.com.br/archives/2017/07/27/83428839-hamas.jpg
DEUSEAMORIANOS
http://www.deuseamorianos.com/2017/07/palestinos-convocam-dia-do-odio-contra.html
http://www.deuseamorianos.com/
http://www.deuseamorianos.com/
http://www.deuseamorianos.com/2017/07/palestinos-convocam-dia-do-odio-contra.html
true
8490450740517024814
UTF-8
Carregado Todas as Mensagens Não foram encontrados posts Veja Mais Leia Mais Resposta Cancelar resposta Delete De Início Páginas Postagens Veja Mais RECOMMENDED FOR YOU LABEL Arquivo Pesquise TODAS AS PUBLICAÇÕES Não foram encontrados resultados com a sua mensagem Voltar ao início Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Ooutubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minuto atrás $$1$$ minutos atrás 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ weeks ago Mais de 5 semanas atrás Seguidores Siga THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy